Estratégia para destinação de resíduos sólidos recicláveis provenientes de universidades brasileiras

Palavras-chave: coleta seletiva, educação ambiental, reciclagem, sustentabilidade.

Resumo

: A coleta seletiva é uma prática sustentável, combate o desperdício e preserva o ambiente. Com base nisso, objetivamos propor uma estratégia de ação voltada à coleta seletiva em universidades. Segundo dados obtidos na Universidade Federal de Uberlândia e cooperativas de catadores, em 2015, foram produzidos 266.762 kg de material reciclável e arrecadados R$ 231.252,53 com a venda destes, por um custo de implantação de R$ 55.330,00. A análise desse modelo resultou na produção do Guia de Implantação e Manutenção de um Sistema de Coleta Seletiva Aplicado a universidades brasileiras, pois constatou-se a importância da adoção de sistemas ativos de reciclagem em universidades, seja pelo grande volume de resíduos gerados, bem como pelos benefícios de sua implantação.

Biografia do Autor

Eloainy Alves Eustáquio, Universidade Federal de Uberlândia
Possui graduação em Administração pelo Centro Universitário do Triângulo (1999) . Tem experiência na área de Administração. Mestrado em Ciências Ambientais
Vanessa Felipe de Souza, Embrapa Gado de Corte
Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1996), mestrado e doutorado em Medicina Veterinária Preventiva - Virologia - pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (2002). Atualmente é Pesquisadora nível A na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), Unidade Gado de Corte, Campo Grande - MS. Tem experiência na área de Medicina Veterinária com ênfase em Doenças Infecciosas de Animais, atuando principalmente nos temas: Medicina Veterinária Preventiva, Virologia, Saúde Animal, Saúde Pública Veterinária, Educação Sanitária e Bem-estar Animal.
Danila Fernanda Rodrigues Frias, Universidade Brasil
Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Brasil (2005), mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2008) e doutorado em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2012). Atualmente é professor titular da Universidade Brasil. Tem experiência na área de Medicina Veterinária, com ênfase em Medicina Veterinária Preventiva.

Referências

AGUIAR, A.; PHILLIPPI, J. A. Custos de coleta seletiva: critérios de apuração e viabilidade dos programas. In: CONGRESSO INTERAMERICANO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 27., Porto Alegre, RS. Anais [...]. Rio de Janeiro: ABES, 2000.

BITTENCOURT, P. T. Metodologia de elaboração do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da UFSC Campus Florianópolis. 2014. 116f. Orientadora: Sara Meireles. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental) – Centro Tecnológico, Universidade Federal de Sana Catarina, Florianópolis, SC, 2014.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Coleta seletiva solidária - cidadania, oportunidade de renda e inclusão social, 2008. Disponível em: http://a3p.ana.gov.br/Documents/docs/outros/cartilha_coleta%20nov-2008.pdf. Acesso em: 26 set. 2016.

CAPITAL RECICLÁVEIS. Curiosidades. [s.d.]. Disponível em: http://www.capitalreciclaveis.com.br/navegacao.asp?id=18&pagina=Curiosidades. Acesso em: 26 out. 2016.

CARETO, H.; VENDEIRINHO, R. Sistemas de gestão ambiental em universidades: caso do Instituto Superior Técnico de Portugal. Relatório final de curso, p. 2002-2003, 2003. Disponível em: http://meteo.ist.utl.pt/~jjdd/LEAMB/LEAmb%20TFC%20site%20v1/2002-003/HCareto_RVendeirinho%20artigo.pdf. Acesso em: 8 dez. 2016.

COMISSÃO EUROPÉIA. A EU e a gestão de resíduos. Luxemburgo: Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias, 2000. 18 p.

DEBORTOLI, R. Benefícios econômicos e ambientais da coleta seletiva de Biguaçu. Orientador: José Alonso Borba. 2007. 56f. Monografia (Bacharelado em Ciências Contábeis ) - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, 2007.

FURIAM, S. M.; GÜNTHER, W. R. Avaliação da educação ambiental no gerenciamento dos resíduos sólidos no campus da Universidade Estadual de Feira de Santana. Revista Sitientibus, v. 35, p. 7-27, jul./dez. 2006.

GÓMEZ, J. A. D.; AGUADO, O. V.; PÉREZ, A. G. (Org.). Serviço social e meio Ambiente. 4. ed. São Paulo: Cortez. 2011. 135p.

GOUVEIA, N. Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 6, p. 1503-10, 2012.

GRIPPI, S. Lixo, reciclagem e sua história - guia para as prefeituras brasileiras. Rio de Janeiro: Interciência, 2001. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=415591&indexSearch=ID. Acesso em: 19 out. 2016.

INSTITUTO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Reciclagem movimenta 12 bilhoes por ano. [s.d.]. Disponível em: http://ineam.com.br/reciclagem-movimenta-r-12-bilhoes-por-ano-no-brasil/. Acesso em: 13 dez. 2016.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA E APLICADA. Diagnóstico dos resíduos sólidos industriais. Brasília: IPEA, 2012.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA E APLICADA. Relatório da situação social das catadoras e dos catadores de material reciclável e reutilizável. Brasília: IPEA, 2013.

MAGALHAES, M. A. Tempo de degradação de materiais descartados no meio ambiente. Jornal do Centro Mineiro para Conservação da Natureza (CMCN), Viçosa, MG, ano 08, n. 37, jan./fev./mar. 2001.

MELO, J. A.; SOUTO, J. V. Interfaces no trabalho dos catadores de materiais recicláveis: relações complexas com o Estado e o capital. Temporalis, v. 1, n. 21, p. 49-70, 2011.

RODRIGUES, E. T.; LEITE, J. F. Proposta de implementação da coleta seletiva de resíduos [com o aproveitamento de garrafas pets e latas de alumínio]: no condomínio residencial Prive das Laranjeiras, Goiâni, GO. 2008. Disponível em: www.agu.gov.br/page/download/index/id/19461321. Acesso em: 13 dez. 2016.

TAUCHEN, J.; BRANDLI, L. A gestão ambiental em instituições de ensino superior: modelo para implantação em campus universitário. Gestão & Produção, v. 13, n. 3, p. 503-515, 2006.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE BRASÍLIA. Guia da coleta seletiva solidária na UNB. Brasília: UNB, 2016. Disponível em: http://fup.unb.br/wp-content/uploads/2016/08/cartilha_coleta_seletiva_virginia.pdf. Acesso em: 11 nov. 2016.

Publicado
2019-08-16