A ação de brincar em crianças de 2 a 5 anos no desenvolvimento psicomotor, do ponto de vista da terapia ocupacional

Camila Silva Moreira, Sandra Léa Mesquita, Ana Maria de Oliveira Alves

Resumo


O brincar promove uma melhora no desenvolvimento psicomotorda criança de 2 a 5 anos, visando evolução no aspecto motor,cognitivo, emocional, social, mental e, conseqüentemente, na qualidadede vida, favorecendo a independência, coordenação, socialização,atenção, memória, concentração, etc. As atividades lúdicassão indispensáveis no desenvolvimento infantil, pois ao brincar acriança é introduzida no meio sócio-cultural do adulto, assimilando erecriando a realidade, unindo razão, emoção, conhecimento e sonho,em que a criança pode exteriorizar seus medos, angústias, problemasinternos e revelar-se inteiramente, resgatando a alegria, a felicidade,a afetividade e o entusiasmo, tornando-se mais criativa, motivada econfi ante, promovendo seu desenvolvimento e aprendizagem, com aintervenção da Terapia Ocupacional.

Palavras-chave


1. brincar, 2. psicomotricidade, 3. creche

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Rosana Palhares Zschaber. Brincar como Recurso Terapêutico. In: Caderno de terapia ocupacional, Belo Horizonte: Líthera Maciel, v. 8, p. 95-111, 1998.

AZEVEDO, Israel Belo de. O prazer da produção científica.7. ed. Piracicaba-SP: Unimep, 1999.

CAMPOS, Maria Malta; ROSEMBERG, Fúlvia; FERREIRA, Isabel M. Creches e pré-escolas no Brasil. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1995

DONALD, Mac. Terapia ocupacional em reabilitação. 4. ed. São Paulo: Santos, 1990.

ESTATUTO da Criança e do Adolescente – Lei Federal 8.069/1990

FONSECA, Vítor da. Psicomotricidade. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1993GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

KUDO, Aide Mitie; PIERRE, Samira Alvares. Brinquedos e brincadeiras no desenvolvimento infantil. In: KUDO, A. M. et al. Fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional em pediatria. São Paulo: Sarvier, 1997, p. 247-52.

_____. Terapia ocupacional com crianças hospitalizadas. In: KUDO, A. M. et al. Fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional em pediatria. São Paulo: Sarvier, 1997, p. 194-203.

KUDO, Aide Mitie; PIERRE, Elisabete Arbaitman. Terapia ocupacional como agente facilitador na interação criança/família. In: KUDO, A. M. et al. Fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional em pediatria. São Paulo: Sarvier, 1997, p. 194-203.

MEUR, A. de; STAES, L. Psicomotricidade – educação e reeducação.  São Paulo: Manole, 1989.

OLIVEIRA, Zilma de Moraes; MELLO, Ana Maria; VITÓRIA, Telma et al. Creches: crianças, faz de conta & cia. Petrópolis: Vozes, 1995.

PERRONE, Ercília. Creche: pré-escola, teoria e prática. São Paulo: Sprint, 1996.

ROSEMBERG, Fúlvia. Creche: temas em destaque. São Paulo: Cortez, 1989.

SAMPAIO, Vírginia Régia Carneiro. Creche - atividades desenvolvidas com a criança. Rio de Janeiro: BEM, 1984.

SANTOS, Santa Marli Pires dos. Brinquedo e infância: um guia para pais e educadores em creche. Petrópolis-RJ: Vozes, 1999.

SILVA, José Luís Mônaco. A família substituta no estatuto da criança e do adolescente. São Paulo: Saraiva, 1995.

TOPCZEWSKI, Abram. Hiperatividade - como lidar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.

WINNICOTT, D. W. A família e o desenvolvimento individual. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v0i23.869

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)