Percepções de um público leigo sobre pombos urbanos: elementos para um programa de educação ambiental visando ao controle populacional destas aves

Luzia Linaldi Labanhare, Maria Aparecida de Souza Perrelli

Resumo


Os pombos do gênero Columba se adaptaram muito bem ao ambiente tropical. A oferta de alimento, a arquitetura favorável, a tolerância mútua entre pombos e seres humanos são alguns fatores associados aos problemas de saúde decorrentes da proliferação de pombos em ambientes urbanos. Acreditando que o compromisso das pessoas com a solução ou o agravamento dessa questão depende do modo como apercebem, foi aplicado um questionário-piloto afim de conhecer essas percepções e também verificar a eficácia deste método para o alcance deste objetivo. As respostas obtidas apontaram que o questionário utilizado foi umbom instrumento e permitiu verificar que há diversidade de percepções entre grupos e intra grupos sociais e também interpessoais. Isso reforça a idéia de que ações educativas voltadas para a conscientização das pessoas quanto à sua responsabilidade na solução desse problema devem levar em conta as diferentes percepções sobre a presençade pombos nas cidades.

Palavras-chave


pombos, pombos urbanos, percepção ambiental.

Texto completo:

PDF

Referências



ARAUJO, C.D.; CARVALHO, F. G.; ALBUQUERQUE, L. B. Levantamento epidemiológico das zoonoses transmitidas por pombos em Campo Grande/MS. Multitemas. Campo Grande, n.16, p. 28 – 50, maio. 2000.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BRASIL. Lei n. 9605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 13 fev. 1998.

CAMPO GRANDE. Lei Municipal n. 2909 – 28 jul 1992. Institui o Código de Política Administrativa do Município. Campo Grande: Prefeitura Municipal de Campo Grande, 28 jul 1992.

CORREIO DO ESTADO. Superpopulação de pombos, ameaça para a saúde pública. Correio do Estado, Campo Grande, 13 mar. 2003.Geral. Disponível emhttp://www.correiodoestado.com.br/pages/materias.asp?id=3335/&ed=8&ano=2003. Acesso em: 13 mar. 1993.

FEARE, C. J. Pigeons: past, present and prerequisites for managemant. In: BRITISH  PEST CONTROL ASSOCIATION CONFERENCE, 7, 1986,  Proccedings…

FEARE, J.C. Control of bird pest populations. In: PERRINS, C.M.; LEBRETON, J. D.; HIRONS, G. J. M. (eds). Bird Population Studies: relevance to consevation and management. Oxford/Newyork/Tokyo: Oxford University Press, 1991, p. 463-478.

FEARE, J.C. The Starling. Oxford: Oxford University Press, 1984.

FEARE, J. C. Pigeon Control: towards a humane alternative. Pest Control Magazine. Jun, 1990.

HAAG, D. Population density as a regulator of mortality among eggs and nestlings of feral pigeons (Columba lívia domestica) in Basel, Switzerland .       In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM OF THE WORKING GROUP ON GRANIVOROUS BIRDS, INTECOL, 1989, Stupsk, Poland.Proceedings… Warszawa: PINOWSKI, J.; KAVANAGH, B.P.; GÓRSKI, W. (eds.) Nestling mortality of granivorous birds due gto microoganisms and toxic substances, p. 21-31, 1991.

HÖLFING, E.; CAMARGO, H. F. de A . Aves no campus. São Paulo: Edusp/ Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, 1999.

LABANHARE, L. L; PERRELLI, M.A.S. Pombos urbanos: biologia, ecologia e métodos de controle populacional. Multitemas. Campo Grande (no prelo)

LURIA, A.R. Pensamento e linguagem: as últimas conferências de Luria. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.

MEDINA, N. M. Formação de multiplicadores para Educação Ambiental. In: PEDRINI, A. G. (org). O contrato social da Ciência: unindo saberes na Educação Ambiental. Petrópolis: Vozes, 2002.

MING, L. C. Levantamento de Plantas medicinais na Reserva Extrativista Chico-Mendes – Acre.1995. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, Botucatu, 1995.

NETO, H. C.; NUNES, V. de F. P. A problemática dos pombos em áreas urbanas. Revista Vetores e Pragas, p. 11 – 14, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v0i35.862

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)