Papel das formigas na dispersão de sementes de Alibertia edulis (L.L. Rich) A.C. Rich

Inês Ferreira Rodrigues, Lidiamar Barbosa de Albuquerque

Resumo


Alibertia edulis tem síndrome de dispersão de sementes primariamente barocórica, mas também pode ser dispersa por morcegos, primatas, e secundariamente por formigas. Este trabalho foi realizado no Cerrado da Universidade CatólicaDom Bosco, Campo Grande, MS onde esta espécie tem densidade alta (0,23ind/m2). Para entender o por quê desta abun-dância, neste trabalho analisou-se o papel das formigas na remoção dassementes de A. Edulis, bem como a viabilidade das sementes e a sua taxa degerminação. A observação da taxa de remoção foi feita em oito formigueiros (4 área de Cerrado e 4 Cerrado em regeneração). As sementes foram colocadas a distância de 100 cm do olheiro dos formigueiros, no período matutino entre 9h e 10h na área em regeneração e das 10h às 12h dentro da áreas de cerrado. As formigas que removem essas sementes são do gênero Atta. A taxa de remoção de sementes na área de cerrado foi de 1,54 sem/min e na área em regeneração foi 1,48 sem/min. Paralelamente a isso, foram realizados testes de germinação em condições normais de ambiente, que resultado de100% de sementes germinadas. O testede viabilidade dessas sementes também revelou 100% de viabilidade.

Palavras-chave


dispersão de sementes, Alibertia edulis, formigas.

Texto completo:

PDF

Referências


BOND, W.J.; YEATON, R.; STOCK, W. D. Mirmecochory in  cape fymbos. In: HUXLEY, C. R.;  CUTLER, D. F. Ant-plant interactions. New York : Oxford University Press;1991.p. 448-517.

BRASIL, A. Vocabulário de ecologia. São Paulo: Ediouro, 1992.

BRASIL, Ministério da agricultura. Escritório de Produção Vegetal. Regras para análise de sementes. [s.d., 19--]. p. 56-63.

CASASOLA, P. M. Vida y obra de granos y semillas. 1 ed. México: Xaniversario, 1996.

CURTIS, H. et al. Biologia vegetal. 2 ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koagan, 1978. p. 409- 411.

DELLA, L. T. M. C. , (Ed.).As Formigas cortadeiras. Viçosa, 1993. P. 262.

DELLOUCHE, J. C.; Still, T. W; Raspet, M. et al. O teste de tetrazólio para viabilidade de sementes. Brasília: Agiplan. Ministério de agricultura, 1976. p. 103.

FLEMING, T. H. Do tropical frugivores compete for food? American Zoologist 19: 1157-1172. 1979.

GAUTIER-HION, A.; DUPLANTIER, J.M.;QURIS, R.; FEER, F.; SOURD, C.; DECOUX, J.P.; DUBOST, G.; EMMONS, L.; ERARD, C.; HECKESTSWEILER, P.; MOUNGAZI, A.; ROUSSILHON, C.; THIOLLAY, J.M. Fruit characters as a basis of fruit choice and seed dispersal in a tropical forest vertebrate community. Oecologia 65: 324-337. 1985.

HEITHAUS, E. R. 1982. Coevolution between bats and plants. In: Kunz, T. H. (ed.) Ecology of bats. New York, Plenum Pr., p. 327-367.

HOWE, H.F.; SMALLWOOD, J. 1982. Ecology of seed dispersal. Ann. Rev. Ecol. Syst. 13: 201-228.

HOLLDOBLER, B; WILSON, O. E. Viaje a las hormigas. 1 ed. Barcelona: Grijalbo Mandadori S. A, 1996.

HOWE, H. F.; WESTLEY L. C. Ecological relationships of plants and animal. New York: Oxford University Press, 1988. p. 177-130.

JANZEN, D.H. Seed predation by animals. Annual Review of Ecology and Systematics 2:465-492. 1971.

JANZEN, D.H. Seed-Eaters Versus Seed Size, Number, Toxicity and Dispersal. Evolution, 23 (1): 1-27, 1969.

JORDANO, P. Geographical ecology and variation of plant-seed disperser interactions: southern Spanish junipers and frugivorous thrushes. In: T.H. Fleming and A. Estrada (eds). Frugivory and Seed Dispersal: Ecological and Evolutionary Aspects. Pages 85-104, Kluwer Academic Publishers, Dordrecht, The Netherlands. Also included in: Vegetatio 107/108: 85-104. 1993.

MORELLATO, L. P. C. Estudo da fenologia de árvores arbustos e lianas de uma floresta semi-decídua no sudeste do Brasil. Instituto de Biologia. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1991.

MORELLATO, L. P. C. e LEITÃO-FILHO, H. F. Padrões de frutificação e dispersão na Serra do Japí. Campinas : Editora da UNICAMP/FAPESP, 1992.

MORELLATO, C. P. e LEITÃO-FILHO, H. F. L. Ecologia de preservação de uma floresta tropical urbana. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995.

PLANURB. Unidade de Planejamento Urbano de Campo Grande. Perfil Sócio-econômico de Campo Grande. Campo Grande, 1993.

PANIZZI, A. R. e PARRA, J. R. P. Ecologia nutricional de insetos e suas implicações no manejo de pragas. São Paulo: Editora Manole, 1991.p.131-223.

PIJL, L. V. D. Principles of dispersal in higher plants 2. ed. New York: Spring. Verlag, 1972.

PIZO, M. A. Interação formigas em solo de mata Atlântica: infuência das formigas na ecologia de frutos e sementes não-mirmecocóricas.Campinas, 1998. Ciências biológicas (ecologia). Universidade estadual de Campinas. Tese de Doutorado, UNICAMP, Campinas-SP: [S.n.], 1998.

RICKLEFS, R.E. A Economia da natureza. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,    1996. p. 275-276.

RODGERSON, L. Mechanical Defense in seeds Adapted For Ant Dispersal. In: PEET,R.K. Publication Of The Ecological Society Of America. North Carolina : University of North Carolina at Chapel Hill. Ecological  Society of  América, North Carolina, 1998. p. 1669-1677.

SITTE, P; ZIEGLER, H.; EHENDERFER, F.et al. Strasburger tratado de botánica .8 ed.Barcelona : edicione Omega,1994.p. 888-905.

SMYTHE, N. 1970. Relationships between fruiting seasons and seed dispersal methods in a neotropial forest. Am Nat. 104: 25-35.

SMYTHE, N. Evolucíon en los Trópicos. República do Panamá; Smithsonian Tropical Research Institute, 1982.p. 77-83.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v0i35.854

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)