A Comunidade Quilombola Chácara do Buriti, MS: memórias sentidas e vividas na busca do desenvolvimento sustentável

Eva Martins Terra, Arlinda Cantero Dorsa

Resumo


A concepção de comunidade quilombola foi consagrada e permaneceu arraigada no senso comum, como comunidade de negros rebeldes ligados ao período da escravidão, entretanto os vários estudos realizados permitiram verificar que tais comunidades foram constituídas por processos diversos e só se tornaram objeto de interesse de políticas públicas, após terem sido reconhecidas na Constituição Federal de 1988. Este artigo visa divulgar os resultados dessa investigação, pautando-se a pesquisa no método indutivo com ênfase nos fatores qualitativos, e no estudo realizado por meio da observação in loco, da coleta de depoimentos com ênfase na memória e na identidade, além do levantamento de dados documentais. Conclui-se ainda, parcialmente, que a comunidade tem procurado preservar seus conhecimentos tradicionais pelas narrativas de seus ascendentes e pela produção de meios de sustentabilidade destinando uma parte dessa produção para a região de Campo Grande e Anhandui, MS.


Palavras-chave


comunidade tradicional, desenvolvimento sustentável, memória

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira de Antropologia - ABA. Documentos do grupo de trabalho sobre as comunidades negras rurais. Boletim Informativo NUER, n. 1, 1994.

ÁVILA, Vicente Fidélis de. Pressupostos para formação educacional em desenvolvimento local. Interações - Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, MS, v. 1, n. 1, p. 63-76, set. 2000.

ALVARENGA L. Do sururu à panela de barro: a realidade de heranças milenares. 2002. Dissertação (Mestrado) –Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro.

AZEVEDO, Thales de. O catolicismo no Brasil: um campo para a pesquisa social. Rio de Janeiro: Ministério da Cultura, 1955.

BARRETO, Angela Maria. Memória e Sociedade contemporânea: apontando tendências. Revista ACB - Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 161-176, jul./dez. 2007.

BAUMAN, Zygmunt. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

BIDDLE, William W. Desenvolvimento da comunidade. A redescoberta da iniciativa Local. Tradução de Marília Diniz Carneiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Livraria Agir, 1972.

BOSI Eclea. O tempo vivo da memória: ensaios de Psicologia Social. São Paulo: Ateliê, 2003.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Instituto Nacional de Reforma Agrária. Relatório antropológico de identificação e delimitação do território da Comunidade Quilombola Chácara Buriti. Brasília: INCRA, 2007.

BUARQUE, Sérgio C. Construindo o desenvolvimento local sustentável. Metodologia de planejamento. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

CÂNDIDO, A. Parceiros do Rio Bonito – estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. Rio de janeiro: José Olympio, 1964.

DIEGUES, A. C. A etnoconservação da natureza. In: ______ (Org.). Etnoconservação: novos rumos para a conservação da natureza. São Paulo: HUCITEC/NUPAUB-USP, 2000.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

HALBWCAHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Tradução de Irene Ferreira Bernardo Leitão Suzana. Campinas: Unicamp, 2003.

MIRANDA, Orlando (Org.). Para ler Ferdinan Tonnies. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1995.

NÓVOA, Antônio et al. Formação para o desenvolvimento. Lisboa: Fim de Século/OIT, 1992.

NORA, Pierre. Entre memória e história. A problemática dos lugares. Tradução de Yara Aun Khoury. Projeto História – Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História – PUC-SP, São Paulo, n.10, p. 7-28, dez. 1993.

POLLAK, Michel. Palestra realizada na Conferência – CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. 1987.

SPINELLI JÚNIOR, Vamberto. Bauman e a impossibilidade da comunidade. CAOS – Revista Eletrônica de Ciências Sociais, João Pessoa, PB, n. 11, p. 1-13, out. 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v0i41.288

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)