Núcleo de Estudos da Biodiversidade da Amazônia Mato-Grossense (NEBAM): 12 anos disseminando informações científicas e democratizando o conhecimento

Marliton Rocha Barreto, Larissa Cavalheiro

Resumo


O norte de MatoGrossovem sofrendo perdassignificativas de suascoberturasvegetaisnaturais; contexto aliado à faltade uma políticaambiental atuante,além do desconhecimentoda sociedadesobrea importânciada conservaçãoe utilizaçãosustentáveldos recursosnaturais. Em 2007, os professores biólogos da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) criaram o Núcleo de Estudos da Biodiversidade da Amazônia Mato-Grossense (NEBAM), objetivando, principalmente, estudos botânicos e zoológicos relacionados à riqueza, diversidade e distribuição de espécies amazônicas e do ambiente de transição Cerrado-Amazônia. Por gerar suas atividades em uma região submetida à intensa pressão antrópica, seus membros têm tomado essa diretriz como fundamento para seu desenvolvimento e, consequentemente, contribuição para o conhecimento regional. Ademais, participam, em especial, na formação de recursos humanos e, a partir de projetos de extensão, buscam contribuir para o aumento da conscientização ambiental, disseminando este conhecimento acumulado, visando à socialização e interação com a comunidade.


Palavras-chave


Amazônia; biodiversidade; Cerrado; grupo de pesquisa; Mato Grosso.

Texto completo:

PDF

Referências


DEMARCO, J. O.; CADORE, J. S.; INSELSPERGER, V.; RODRIGUES, A. C.; FORTES, P. R. Extensão universitária na conscientização ambiental em escolas de educação básica. Revista Monografias Ambientais, Santa Maria, Edição Especial, p. 101-7, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/remoa/article/view/18747. Acesso em: 9 set. 2019.

MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos Livros, 1999.

MORIN, E. Ciência com Consciência. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MUGNAINI, R.; CARVALHO, T.; CAMPANATTI-ORTIZ, H. Indicadores de produção científica: uma discussão conceitual. In: POBLACION, D. A. et al. (Org.). Comunicação e produção científica: contexto e avaliação. São Paulo: Angellara, 2006. p. 313-40.

RODRIGUES, A. L. L.; PRATA, M. S.; BATALHA, T. B. S.; COSTA, C. L. N. A.; PASSOS-NETO, I. F. Contribuições da extensão universitária na sociedade. Cadernos de Graduação − Ciências Humanas e Sociais, Aracaju, v. 1, n. 16. p. 141-8, mar. 2013. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/cadernohumanas/article/viewFile/494/254 . Acesso em: 9 set. 2019.

SARAIVA, J. L. Papel da extensão universitária na formação de estudantes e professores. Brasília Médica, Brasília, v. 44, n. 3, p. 220-5, 2007. Disponível em: https://rl.art.br/arquivos/3635754.doc. Acesso em: 9 set. 2019.

SILVEIRA, J. P. B. A produção científica em periódicos institucionais: um estudo da revista Biblos. Encontros Bibli − Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v. 17, n. 33, p. 116-33, jan./abr. 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5007/1518-2924.2012v17n33p116. Acesso em: 9 set. 2019.

VIEGAS, S. F. S.; CABRAL, E. R. Práticas de Sustentabilidade em Instituições de Ensino Superior: Evidências de Mudanças na Gestão Organizacional. Gual, Florianópolis, v. 8, n. 1, p. 236-59, jan. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/gual/article/view/1983-4535.2015v8n1p236. Acesso em: 9 set. 2019.

WITTER, G. P. Pós-graduação e produção científica: a questão de autoria. TransInformação, v. 1, n. 1, p. 29-37, 1989. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/1698. Acesso em: 9 set. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v21i59.2847

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)