A cadeira de rodas infantil sob a perspectiva do design emocional e da ergonomia

Suélen Maiara dos Reis Nascimento, Camila Dalsin, Jacinta Sidegum Renner, Claudia Schemes

Resumo


Considerando a contribuição do design no desenvolvimento das Tecnologias Assistivas, propõe-se, neste artigo, analisar a cadeira de rodas infantil sob a perspectiva do design emocional e da ergonomia, partindo da percepção das crianças usuárias e de seus cuidadores. Em termos metodológicos, este estudo se caracteriza como uma pesquisa observacional descritiva, com análise de dados sob o paradigma qualitativo. Foi utilizada na fase exploratória a ferramenta de Design Macroergonômico que incorpora as demandas dos usuários em todas as fases do processo. Embora os resultados apresentados nas entrevistas tenham apontado para a necessidade de alterações relacionadas à segurança da cadeira de rodas, verificou-se que as crianças usuárias identificaram os aspectos estéticos como fatores relevantes passíveis de mudança.


Palavras-chave


cadeira de rodas; criança com deficiência; design emocional; ergonomia

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ERGONOMIA (ABERGO). O que é ergonomia. [s.d.]. Disponível em: http://www.abergo.org.br/internas.php?pg=o_que_e_ergonomia. Acesso em: 21 mar. 2019.

ALMADA, J. F. Disposição ergonômica para acomodação de pessoas com deficiência física em transporte coletivo. 2012. 169 f. Dissertação (Mestrado em Inclusão Social e Acessibilidade) − Feevale, Novo Hamburgo, RS, 2012. Disponível em: http://biblioteca.feevale.br/Dissertacao/DissertacaoJuanAlmada.pdf . Acesso em: 16 maio 2018.

BASSO, C. R. Parâmetros ergonômicos de conforto para usuários de cadeiras de rodas. 2013. 58 f. Monografia (Artigo de Conclusão do Curso de Design) − Feevale, Novo Hamburgo, RS, 2013. Disponível em: http://biblioteca.feevale.br/Artigo/ArtigoClaudiaBasso.pdf. Acesso em: 29 ago. 2018.

BRASIL. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, 2017.

DALSIN, C.; HAUBERT, B.; RENNER, J. S.; SCHEMES, C. O design da cadeira de rodas infantil e o processo de exclusão/inclusão social: uma revisão integrativa da literatura. Revista Multitemas, Campo Grande, MS, v. 24, n. 56, p. 59-80, jan./abr. 2019.

DAMÁSIO, A. O mistério da consciência: do corpo e das emoções do conhecimento de si. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

DESMET, P. M. A.; HEKKERT, P. The basis of product emotions. In: GREEN, W.; JORDAN, P. (Coord.). Pleasure with products, beyond usability. London: Taylor & Francis, 2002. p. 60-8.

FANTE, C. Fenômeno bullying: como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz. São Paulo: Verus, 2005.

FERRO, B. H. Design ergonômico como ferramenta para a inclusão social: o caso dos usuários cadeirantes. 2017. 214 f. Dissertação (Mestrado em Diversidade Cultural e Inclusão Social) − Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS, 2017 Disponível em: http://biblioteca.feevale.br/Dissertacao/DissertacaoBrunaHFerro.pdf. Acesso em: 16 maio 2018.

FOGLIATTO, F. S.; GUIMARÃES, L. B. M. Design macroergonômico de postos de trabalho. Produto & Produção, Porto Alegre, v. 3, n. 3, p. 1-15, 1999.

GALVÃO FILHO, T. A.; DAMASCENO, L. L. Tecnologias Assistivas para autonomia do aluno com necessidades educacionais especiais. Inclusão: Revista da Educação Especial, v. 1, n. 1, p. 25-33, 2006. Disponível em: http://atividadeparaeducacaoespecial.com/wp-content/uploads/2014/07/REVISTA-TECNOLOGIA-ASSISTIVA-E-NEE.pdf. Acesso em: 20 jun. 2018.

HEIDRICH, R.; TOROK, D. L.; CAPPELATTI, E.; SILVA, L. F.; MULLER, M. S.; MASOTTI, M. Design Inclusivo: desenvolvendo e utilizando tecnologias de informação e comunicação para alunos com necessidades educacionais especiais. Revista Renote, v. 4, n. 2, p. 1-10, dez. 2006. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/renote/article/view/14189/8158. Acesso em: 22 mar. 2018.

IIDA, I.; GUIMARÃES, L. B. M. Ergonomia: projeto e produção. 3. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro, 2010.

LORO, A. R. A importância do brincar na educação infantil. 2015. 42 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Educação Física) – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), Ijuí, RS, 2015. Disponível em: http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/bitstream/handle/123456789/3391/Aline%20Loro%20TCC%20p%C3%B3s%20banca.pdf?sequence=1 . Acesso em: 12 abr. 2018.

MASSA, M. S. Ludicidade: da etimologia da palavra à complexidade do conceito. Aprender: Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação, Vitória da Conquista, BA, ano IX, n. 15, p. 111-30, 2015. Disponível em: http://periodicos.uesb.br/index.php/aprender/article/viewFile/5485/pdf_39. Acesso em: 20 maio 2018.

MATTOS, L. M. Julgamento visual de cadeiras de rodas: contribuições para o design de produtos assistivos. Dissertação (Mestrado em Design) − Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP, 2017. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/152003/mattos_lm_me_bauru.pdf?sequence=3&isAllowed=y. Acesso em: 11 abr. 2018.

MENEZES, E. T.; SANTOS, T. H. Verbete lúdico. Dicionário Interativo da Educação Brasileira (Educabrasil). São Paulo: Midiamix, 2001. Disponível em: http://www.educabrasil.com.br/ludico/. Acesso em: 1º maio 2018.

MONGE, N. Design de produtos inclusivos, satisfatórios: a abordagem holística ao design inclusivo. Artigos Caleidoscópio, p. 117-34, 2003. Disponível em: http://recil.grupolusofona.pt/bitstream/handle/10437/2679/Design%20de%20Produtos%20Inclusivos%20Satifat%C3%B3rios.pdf?sequence=1. Acesso em: 10 mar. 2018.

MONT'ALVÃO, C.; DAMAZIO, V. (Coord.). Design, ergonomia e emoção. Rio de Janeiro: Mauad, 2008.

NORMAN, D. Design emocional: por que adoramos (ou detestamos) os objetos do dia a dia. Rio de Janeiro: Rocco, 2008.

OLIVEIRA, L. M. B. Cartilha do Censo 2010: pessoas com deficiência. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD), Coordenação-Geral do Sistema de Informações sobre a Pessoa com Deficiência. Brasília: SDH-PR/SNPD, 2012.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório mundial sobre a deficiência. São Paulo: SEDPcD, 2011. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44575/9788564047020_por.pdf;jsessionid=96FC8FE45F9B214D57F4F148D9D225D8?sequence=4. Acesso em: 2 abr. 2018.

PASCHOARELLI, L. C.; MENEZES, M. S. M. (Org.). Design e ergonomia: aspectos tecnológicos. São Paulo: Editora UNESP, 2009. Disponível em: http://books.scielo.org/id/yjxnr

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo, RS: Feevale, 2013.

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 3. ed. Rio de Janeiro: WVA, 2010. 

SILVA, M. G. A importância do brincar na Educação Infantil. 2016. 21 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Pedagogia a Distância) − Centro de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.

 




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v21i59.2630

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)