O Sanatório São Julião na mídia impressa campo-grandense (1941-1970): um estudo historiográfico

Kely Cristina Garcia Vilena, Rodrigo Lopes Miranda

Resumo


O objetivo deste trabalho é apresentar e discutir a forma como o Sanatório São Julião circulou na mídia impressa campo-grandense, entre 1941 e 1970. Estima-se analisar, por meio do discurso midiático, práticas de assistência ao Sanatório e aos seus internos, por parte da sociedade. As fontes primárias utilizadas foram notícias publicadas em jornais, disponíveis no Arquivo Municipal de Campo Grande (ARCA), a saber: Correio do Estado, O Matogrossense e o Jornal do Comércio. As análises do material sugerem que a sociedade campo-grandense, movida por certa visão social da lepra, manifestada pela mídia impressa, “amparou” os internados no Sanatório São Julião com doações de diversos gêneros, desde alimentos a expressivos valores, efetuados por “generosos” campo-grandenses. Assim, as imagens evocadas pelo discurso midiático, referentes ao Sanatório São Julião, concebem a ideia de um cuidado em saúde ligado a práticas assistencialistas. 

Palavras-chave


História da Saúde, Lepra, Políticas de Saúde, Políticas Públicas

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, F. N. O ensino da história por meio dos jornais antigos: as imagens acerca dos atores político-partidários à época imperial. História, Rio Grande, RS, v. 3, n. 1, p. 19-36, 2012.

BARROS FILHO, C. Ética na comunicação: da informação ao receptor. São Paulo: Moderna, 2005.

BATISTA, R. L. L.; MACHADO, M. N. M.; GERKEN, C. H. S. A construção discursiva da autoridade e do saber salesiano no jornal Diário do Comércio de São João del-Rei. Memorandum, Belo Horizonte, MG, v.28, p.145-170, 2015.

BERTOLLI FILHO, C. História da saúde pública no Brasil. 4. ed. São Paulo: Ática, 2004.

BITTAR, M. Da promoção à assistência social: Campo Grande na luta pela cidadania. In: CUNHA, F. A. Campo Grande 100 anos de construção. Campo Grande: Matriz, 1999. p. 237-53.

BOVOLENTA, G. A. A atenção aos pobres: apontamentos históricos sobre a assistência e proteção social no Brasil. História e Cultura, Franca, SP, v. 6, n. 2, p. 9-34, ago./nov. 2017.

BRASIL. Decreto de n. 16.300, de 31 de dezembro de 1923. Aprova o regulamento do Departamento Nacional de Saúde Pública. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 1923.

CAMPESTRINI, H.; GUIMARÃES, A. História de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, 1991. Edição histórica.

CANIATO, L. A história do São Julião de 1941 a 2013. Campo Grande, MS: [s.n.], 2013.

CARA, B. S.; DELMONDES, G. F. S.; BATISTA, R. L. L.; MIRANDA, R. L. Universidade e psicologia no Diário da Serra: Alguns apontamentos para uma história da Psicologia em Campo Grande. In: JACÓ-VILELA, A. M.; DEGANI-CARNEIRO, F.; ARAÚJO, J. H. Q. (Orgs.), Clio-Psyché – Saberes Psi: Novos sujeitos, outras histórias. Curitiba: Juruá Editora, p.83-93, 2018.

CASTRO, E. A. O leprosário São Roque e a modernidade: uma abordagem da hanseníase na perspectiva da relação espaço-tempo. Revista RA'E GA, Curitiba, n. 10, p. 9-32, 2005.

CASTRO SANTOS, L. A.; FARIA, L.; MENEZES, R. F. Contrapontos da história da hanseníase no Brasil: cenários de estigma e confinamento. Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 167-90, jan./jun. 2008.

COSTA, D. F. A. C. Entre idéias e ações: lepra, medicina e políticas públicas de saúde no Brasil (1894-1934). 2007. 410 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, 2007.

COSTA, C. Evolução urbana. In: CUNHA, F. A. M. (Coord.). Campo Grande 100 anos de construção. Campo Grande, MS: Matriz, 1999. p. 71-82.

CUNHA, V. S. Isolados ‘como nós’ ou isolados ‘entre nós’?: a polêmica na Academia Nacional de Medicina sobre o isolamento compulsório dos doentes de lepra. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p. 939-54, out./dez. 2010.

DONATIVOS ao Preventório. Jornal Correio do Estado, Campo Grande, MS, 1958.

ESPÍRITO SANTO, T. B. E.; OGUISSO, T.; FONSECA, R. M. G. S. A profissionalização da enfermagem brasileira na mídia escrita no final do século XIX: uma análise de gênero. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, SP, v. 19, n. 5, p. 1-7, set./out. 2011.

GALVÃO, O. C. História da medicina de Campo Grande. In: I: CUNHA, F. A. M. (Coord.). Campo Grande 100 anos de construção. Campo Grande, MS: Matriz, 1999. p. 255-72.

HOHLFELDT, A. Os estudos sobre a hipótese do agendamento. Revista Famecos, Porto Alegre, RS, v. 4, n. 7, p. 42-51, nov. 1997.

LAPUENTE, R. S. O jornal impresso como fonte de pesquisa: delineamentos metodológicos. In: ENCONTRO NACIONAL DA HISTÓRIA DA MÍDIA, 10., 2015, Porto Alegre, RS. Anais [...]. Porto Alegre, RS: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2015.

LEANDRO, J. A. A hanseníase no Maranhão na década de 1930: rumo à Colônia do Bonfim. Hist. cienc. Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 433-47, abr./jun. 2009.

LIMA, E. D.; OLIVEIRA, P. F. Discurso e identidade: a construção discursiva do Nordeste na mídia paraibana. Psicologia Política, São Paulo, v. 15, n. 34, p. 497-514, set./dez. 2015.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas, SP: Unicamp, 1990.

MACIEL, R. L. “Em proveito dos sãos perde o lázaro a liberdade”: uma história das políticas públicas de combate à lepra no Brasil (1941-1962). 2007. 380 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, 2007.

NASCIMENTO, H. B. A lepra em Mato Grosso: caminhos da segregação social e do isolamento hospitalar (1924-1941). 2001. 178 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2001.

OPROMOLLA, P. A.; LAURENTI, R. Controle da hanseníase no Estado de São Paulo: análise histórica. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 45, n. 1, p. 195-203, 2011.

OS HANSENIANOS ficaram livres do truculento administrador do São Julião. Jornal Correio do Estado, Campo Grande, 1958.

SÁ, C. P. Sobre o campo de estudo da memória social: uma perspectiva psicossocial. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 290-95, 2007.  

SANTOS, V. S. M. Filantropia, poder público e combate à lepra. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 18, supl. 1, p. 253-74, dez. 2011.

SANTOS, V. S. M. Pesquisa documental sobre a história da hanseníase no Brasil. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 10, supl. 1, p. 415-26, 2003.

SANATÓRIO São Julião recebeu um milhão: encetada campanha do macarrão. Jornal do Comércio, Campo Grande, 1964.

SILVA, L. F. A construção da lepra em Goiás: contágio e isolamento (1890-1943). Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, Anápolis, GO, v. 4, n. 1, p. 38-56, jan./jul. 2015. Disponível em: http://revistas.unievangelica.edu.br/index.php/fronteiras/

1 MILHÃO e 600 mil cruzeiros para o Sanatório São Julião. Jornal O mato-grossense, Campo Grande, 1960.

VILENA, K. C. G. História de práticas de saúde no Sanatório São Julião (1941-1986). 2018. 156 p. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, 2018.

WOLF, M. Teorias da comunicação de massa. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v24i58.2566

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)