A memória que resiste: o caminho da pesquisa com uma comunidade remanescente de quilombo

Lilian Maria Santos, Andréa Maria Narciso Rocha de Paula

Resumo


O texto é um relato de experiência de pesquisa de doutorado em Desenvolvimento Social, cujo tema central é a memória enquanto constituinte no processo de afirmação identitária na reivindicação territorial de comunidades remanescentes de quilombo. O relato tem como objetivo apresentar uma discussão teórica sobre a categoria memória a partir de Bergson e Halbwachs, bem como descrever o caminho metodológico percorrido no estudo e a contribuição destes autores para o desenvolvimento da pesquisa. Em Bergson, a memória se destaca no seu caráter individual e subjetivo, fazendo o movimento do espírito para a matéria e para a ação no mundo, enquanto Halbwachs traz a dimensão das condicionantes sociais para o fenômeno da memória coletiva. Foi possível considerar que as teorias destes autores contribuem para o embasamento de pesquisas etnográficas que buscam apreender o fenômeno da memória, no que tange os processos de afirmação identitária na reivindicação territorial.

Palavras-chave


Memória; reivindicação territorial; pesquisa etnográfica

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. O narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 17. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Reflexões sobre como fazer trabalho de campo. Revista Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 10, n. 1, p. 11-27, jan./jun. 2007.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Memória Sertão: cenários, cenas, pessoas e gestos nos sertões de João Guimarães Rosa e de Manuelzão. São Paulo: Cone Sul/UNIUBE, 1998.

DEMO, P. Pesquisa e informação qualitativa. 2. ed. Campinas, SP: Papirus, 2001.

FOOTE-WHITE, William. Sobre a evolução da sociedade de esquina – Anexo A. In: FOOTE-WHITE, William. Sociedade de esquina. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006. p. 283-363.

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa das culturas. In: GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. p. 13-41.

HALBWACHS, Marice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 1990.

MALINOWSKI, Bronislaw. Argonautas do Pacífico Ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné melanésia. (1922). São Paulo: Abril Cultural, 1984.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

SMOLKA, Ana Luiza Bustamante. A memória em questão: uma perspectiva histórico-cultural. Educação & Sociedade, Campinas, SP, ano XXI, n. 71, p. 166-93, jul. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v21n71/a08v2171.pdf. Acesso em: abr. 2018.

SPINK, Mary Jane; MENEGON, Vera Mincoff; MEDRADO, Benedito. Oficinas como estratégia de pesquisa: articulações teórico-metodológicas e aplicações ético-políticas. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 32-43. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v26n1/05.pdf. Acesso em: maio 2018.

THOMPSON, Paul. A voz do passado – história oral. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v24i58.2561

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)