Os reis negros deserdados da terra: os negros Rufinos de quilombo do Sítio São João de Pombal, Paraíba

Sergio Luis Rolemberg Farias

Resumo


Este artigo se propõe a uma reflexão sobre a constituição da história do processo da demanda territorial da Comunidade Quilombola Rufinos do Sítio São João, paisanos do município de Pombal, da região semiárida do Estado da Paraíba. Para o levantamento de dados necessários à abordagem aqui realizada, recorremos ao trabalho de campo e à técnica de pesquisa exploratória, com base em fontes secundárias: livros, artigos, documentos, jornais e revistas científicas. O foco principal consiste em demonstrar que a reivindicação da genealogia africana é baseada em uma história marcada pela contribuição importante desses paisanos na construção religiosa, simbólica e cultural da cidade de Pombal. Atualmente, o foco principal de mudança nas narrativas dessa população concentra-se no resgate e na performance da dança do espontão. Para tanto, analisamos o enaltecimento da celebração de certas práticas culturais, as quais se tornaram essenciais ao processo de sensibilização das instituições e da sociedade civil à sua demanda territorial e ao reconhecimento de sua identidade étnica.


Palavras-chave


etnicidade, identidade, quilombos

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, J. N. Irmandade dos negros do Rosário de Pombal. João Pessoa, PB: Imprel, 2014.

BARREIRA, I. A. F. Conflit politique, violence et dénonciation, les femmes comme protagonistes du ressentiment: au nord-est du Brésil. Déviance et Société, v. 41, n. 2, p. 203-37, 2017.

BARTHÉLEMY, G. L’univers rural Haïtien. Le pays en dehors. Paris: L’Harmattan, 1990.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

CAVINGNAC, J. A. Os “troncos velhos” e os “quilombinhos”: memória genealógica, território e afirmação étnica em Boa Vista dos Negros (RN). RURIS - Revista do Centro de Estudos Rurais, Campinas, SP, v. 2, n. 2, p. 11-41, set. 2008.

CUNHA, M. S. C. Matutos ou astutos? Oligarquia e coronelismo no Pará republicano (1897-1909). 2008. Dissertação (Mestrado em História Social da Amazônia) - Universidade Federal do Pará, Belém, PA, 2008.

FANON, F. Peau noire, masques blancs. Paris: Seuil, 1952.

FERNANDES, F. A Integração do negro na sociedade de classes (o legado da raça branca). São Paulo: Globo, 1964.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. S; FRANCO, F. M. M. Minidicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.

KENNY, M. L. Deeply rooted in the present: heritage, memory, and identity in brazilian quilombos (Teaching Culture: UTP Ethnographies for the Classroom). Publisher: University of Toronto Press, Higher Education Divi Publication. Trade Paperback (English), 2018.

SANTOS, T. R.; SILVA, P. H. C.; GERMANI, G. I. As metamorfoses da questão quilombola na Bahia. GT27 − Movimentos campesinos e indígenas na América Latina. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ALAS, 28., 6-11 set. 2011, Recife, PE. Anais [...]. Recife: UFPE, 2011. Disponível em: https://geografar.ufba.br/sites/geografar.ufba.br/files/geografar_santossilvagermani_metamorfosequestaoquilombolabahia.pdf. Acesso em: 3 mar. 2019.

SILVA, J. C. Comissão Pastoral da Terra – CPT divulga o relatório ‘Conflitos no Campo Brasil 2016’. 2017. Disponível em: https://www.ecodebate.com.br/2017/04/18/comissao-pastoral-da-terra-cpt-divulga-o-relatorio-conflitos-no-campo-brasil-2016/. Acesso em: 4 mar. 2019.

SIMÃO, M. S. As Irmandades de Nossa Senhora do Rosário e os africanos no Brasil no século XVIII. 2010. Dissertação (Mestrado em História da África) - Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v24i58.2458

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)