Estratégia para destinação de resíduos sólidos recicláveis provenientes de universidades brasileiras

Eloainy Alves Eustáquio, Vanessa Felipe de Souza, Danila Fernanda Rodrigues Frias

Resumo


: A coleta seletiva é uma prática sustentável, combate o desperdício e preserva o ambiente. Com base nisso, objetivamos propor uma estratégia de ação voltada à coleta seletiva em universidades. Segundo dados obtidos na Universidade Federal de Uberlândia e cooperativas de catadores, em 2015, foram produzidos 266.762 kg de material reciclável e arrecadados R$ 231.252,53 com a venda destes, por um custo de implantação de R$ 55.330,00. A análise desse modelo resultou na produção do Guia de Implantação e Manutenção de um Sistema de Coleta Seletiva Aplicado a universidades brasileiras, pois constatou-se a importância da adoção de sistemas ativos de reciclagem em universidades, seja pelo grande volume de resíduos gerados, bem como pelos benefícios de sua implantação.


Palavras-chave


coleta seletiva; educação ambiental; reciclagem; sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, A.; PHILLIPPI, J. A. Custos de coleta seletiva: critérios de apuração e viabilidade dos programas. In: CONGRESSO INTERAMERICANO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 27., Porto Alegre, RS. Anais [...]. Rio de Janeiro: ABES, 2000.

BITTENCOURT, P. T. Metodologia de elaboração do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da UFSC Campus Florianópolis. 2014. 116f. Orientadora: Sara Meireles. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental) – Centro Tecnológico, Universidade Federal de Sana Catarina, Florianópolis, SC, 2014.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Coleta seletiva solidária - cidadania, oportunidade de renda e inclusão social, 2008. Disponível em: http://a3p.ana.gov.br/Documents/docs/outros/cartilha_coleta%20nov-2008.pdf. Acesso em: 26 set. 2016.

CAPITAL RECICLÁVEIS. Curiosidades. [s.d.]. Disponível em: http://www.capitalreciclaveis.com.br/navegacao.asp?id=18&pagina=Curiosidades. Acesso em: 26 out. 2016.

CARETO, H.; VENDEIRINHO, R. Sistemas de gestão ambiental em universidades: caso do Instituto Superior Técnico de Portugal. Relatório final de curso, p. 2002-2003, 2003. Disponível em: http://meteo.ist.utl.pt/~jjdd/LEAMB/LEAmb%20TFC%20site%20v1/2002-003/HCareto_RVendeirinho%20artigo.pdf. Acesso em: 8 dez. 2016.

COMISSÃO EUROPÉIA. A EU e a gestão de resíduos. Luxemburgo: Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias, 2000. 18 p.

DEBORTOLI, R. Benefícios econômicos e ambientais da coleta seletiva de Biguaçu. Orientador: José Alonso Borba. 2007. 56f. Monografia (Bacharelado em Ciências Contábeis ) - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, 2007.

FURIAM, S. M.; GÜNTHER, W. R. Avaliação da educação ambiental no gerenciamento dos resíduos sólidos no campus da Universidade Estadual de Feira de Santana. Revista Sitientibus, v. 35, p. 7-27,  jul./dez. 2006.

GÓMEZ, J. A. D.; AGUADO, O. V.; PÉREZ, A. G. (Org.). Serviço social e meio Ambiente. 4. ed. São Paulo: Cortez. 2011. 135p.

GOUVEIA, N. Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 6, p. 1503-10, 2012.

GRIPPI, S. Lixo, reciclagem e sua história - guia para as prefeituras brasileiras. Rio de Janeiro: Interciência, 2001. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=415591&indexSearch=ID. Acesso em: 19 out. 2016.

INSTITUTO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Reciclagem movimenta 12 bilhoes por ano. [s.d.]. Disponível em: http://ineam.com.br/reciclagem-movimenta-r-12-bilhoes-por-ano-no-brasil/. Acesso em: 13 dez. 2016.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA E APLICADA. Diagnóstico dos resíduos sólidos industriais. Brasília: IPEA, 2012.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA E APLICADA. Relatório da situação social das catadoras e dos catadores de material reciclável e reutilizável. Brasília: IPEA, 2013.

MAGALHAES, M. A. Tempo de degradação de materiais descartados no meio ambiente. Jornal do Centro Mineiro para Conservação da Natureza (CMCN), Viçosa, MG, ano 08, n. 37, jan./fev./mar. 2001.

MELO, J. A.; SOUTO, J. V. Interfaces no trabalho dos catadores de materiais recicláveis: relações complexas com o Estado e o capital. Temporalis, v. 1, n. 21, p. 49-70, 2011.

RODRIGUES, E. T.; LEITE, J. F. Proposta de implementação da coleta seletiva de resíduos [com o aproveitamento de garrafas pets e latas de alumínio]: no condomínio residencial Prive das Laranjeiras, Goiâni, GO. 2008. Disponível em: www.agu.gov.br/page/download/index/id/19461321. Acesso em: 13 dez. 2016.

TAUCHEN, J.; BRANDLI, L. A gestão ambiental em instituições de ensino superior: modelo para implantação em campus universitário. Gestão & Produção, v. 13, n. 3, p. 503-515, 2006.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE BRASÍLIA. Guia da coleta seletiva solidária na UNB. Brasília: UNB, 2016. Disponível em: http://fup.unb.br/wp-content/uploads/2016/08/cartilha_coleta_seletiva_virginia.pdf. Acesso em: 11 nov. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v24i57.2106

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)