O design da cadeira de rodas infantil e o processo de exclusão/inclusão social: uma revisão integrativa da literatura

Camila Dalsin, Bruna Haubert, Jacinta Sidegum Renner, Claudia Schemes

Resumo


Tendo em vista a contribuição do design no desenvolvimento das Tecnologias Assistivas (TAs), propõe-se neste artigo uma revisão integrativa da literatura. O objetivo geral é verificar na literatura brasileira os artigos que versam sobre processo de exclusão-inclusão social, cadeira de rodas, aspectos lúdicos e saúde dos usuários de cadeira de rodas infantil. Serão analisados artigos e produções científicas disponíveis no período de 2007 a 2017, na base de dados da CAPES, com as seguintes palavras chave: cadeira de rodas, crianças, aspectos lúdicos e inclusão social. Este levantamento permitiu a identificação de lacunas e o incentivo para novos estudos, tal como a pertinência em avançar em pesquisas minuciosas que venham a contemplar o público infantil no redesenho da cadeira de rodas, visando à inclusão social, considerando os parâmetros ergonômicos necessários para o reprojeto e dando destaque para os aspectos lúdicos da infância.



Palavras-chave


cadeira de rodas; deficiência infantil; inclusão social; lúdico

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, B. M. P. Uma contribuição crítica para o redesenho de cadeira de rodas adaptada para crianças e adolescentes com paralisia infantil. 2009. 180 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Centro de Tecnologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 9050:2004: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Disponível em: https://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/arquivos/%5Bfield_generico_imagens-filefield-description%5D_24.pdf. Acesso em: 20 fev. 2018.

BENTO, A. Como fazer uma revisão da literatura: considerações teóricas e práticas. Revista JA, ano VII, n. 65, p. 42-4, 2012. Disponível em: http://www3.uma.pt/bento/Repositorio/Revisaodaliteratura.pdf. Acesso em: 5 dez. 2017.

BERLESE, D. B.; BERLESE, D. B.; RENNER, J. S.; SANTOS, G. A.; SANFELICE, G. R. Aspectos sociais do corpo obeso. In: SANFELICE, G. R. (Org.). Qualidade de vida e inclusão social: aspectos relacionados à saúde. Saarbrücken, Germany: Novas Edições Acadêmicas, 2015.

BERSCH, R. Introdução à tecnologia assistiva. Porto Alegre, RS: CEDI – Centro Especializado em Desenvolvimento Infantil, 2009.

CAPES. Catálogo de teses e dissertações. 2016. Disponível em: http://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/. Acesso em: 8 jan. 2018.

CÔRREA, V. M.; BOLETTI, R. R. Ergonomia: fundamentos e aplicações. Porto Alegre, RS: Bookman, 2015.

DAMÁSIO, A. O mistério da consciência: do corpo e das emoções do conhecimento de si. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

DICIONÁRIO INFORMAL. Ludicidade. 2012. Disponível em: http://www.dicionarioinformal.com.br/ludicidade/. Acesso em: 13 mar. 2018.

FERREIRA, A. B. H. Aurélio: o dicionário de língua portuguesa. 2. ed. Curitiba, PR: Positivo, 2008.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.

GOMES FILHO, J. Ergonomia do objeto: sistema técnico de leitura ergonômica. São Paulo: Escrituras, 2003.

HIRIGOYEN, M. F. Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio moral. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

IIDA, I.; GUIMARÃES, L. B. M. Ergonomia: projeto e produção. 3. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2016. 

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

INTERNATIONAL ERGONOMICS ASSOCIATION (IEA). Definition and domains of ergonomics. [s.d.]. Disponível em: http://www.iea.cc/whats/. Acesso em: 8 mar. 2018.

KROEMER, K. H. E.; GRANDJEAN, E. Manual de ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. 5. ed. Porto Alegre, RS: Bookman, 2005.

LARANJEIRA, F. O.; ALMEIDA, R. T. Utilização de órteses e meios auxiliares de locomoção no sistema único de saúde. In: OLIVEIRA, A. I. A.; LOURENÇO, M. Q.; LOURENÇO, M. G. F. (Org.). Perspectiva da Tecnologia Assistiva no Brasil: pesquisa e prática. Belém, PA: EDUEPA, 2008.

MARTINS, J. S. A sociedade vista do abismo: novos estudos sobre exclusão, pobreza e classes sociais. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

MASINI, E. F. S.; BECKER, E.; PINTO, E. B.; AMARAL, L. A. Deficiência: alternativas de intervenção. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.

MATTOS, L. M. Julgamento visual de cadeiras de rodas: contribuições para o design de produtos assistivos. 2017. 81 p. Dissertação (Mestrado em Design) - Faculdade Arquitetura, Artes e Comunicação, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Bauru, SP, 2017.

MELLO, M. A. F. Tecnologia assistiva. In: GREVE, J. M. D.; AMATUZZI, M. M. Medicina de reabilitação aplicada à ortopedia e traumatologia. 1. ed. São Paulo: Roca, 1999.

MENDES, K. D. S.; SILVEIRA, R. C. C. P.; GALVÃO, C. M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto – Enfermagem, Florianópolis, SC, v. 17, n. 4, p. 758-64, out./dez. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072008000400018. Acesso em: 5 dez. 2017.

MINAYO, M. C.; HARTZ, Z. M. A.; BUSS, P. M. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 7-18, 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232000000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 7 dez. 2017.

MONT’ALVÃO, C.; DAMAZIO, V. Design, ergonomia, emoção. 3. ed. Rio de Janeiro: Mauad, 2012. 

NORMAN, D. A. Design emocional: por que adoramos (ou detestamos) os objetos do dia-a-dia. Rio de Janeiro: Rocco, 2008.

OLIVEIRA, L. M. B. Cartilha do Censo 2010: pessoas com deficiência. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD), Coordenação-Geral do Sistema de Informações sobre a Pessoa com Deficiência, 2012.

RUSSO, B.; HEKKERT, P. Sobre amar um produto: os princípios fundamentais. In: MONT’ALVAO, C.; DAMAZIO, V. (Org.). Design, ergonomia e emoção. Rio de Janeiro: FAPERJ/Mauad X, 2008.

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 8. ed. Rio de Janeiro: WVA, 2010. 

SCHMITT, N. L. Tecnologias assistivas no cotidiano da criança com deficiência física: potencialidades e inclusão social. 2010. 106 f. Dissertação (Mestrado em Inclusão Social e Acessibilidade) – Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS, 2010.

SENNA, C. E. Tecnologia assistiva nas classes comuns do ensino regular: contribuições no design de sistemas de mobilidade infantil para auxílio nas interações sociais. 2012. 127 f. Dissertação (Mestrado em Design) – Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2012.

SILVA, A. B. B. Bullying: mentes perigosas nas escolas. Rio de Janeiro: Fontanar, 2010.

SILVA, G. F.; CARAMASCHI, S.; VALLE, T. G. M. Características físicas das vítimas de bullying. In: SEMANA DE PSICOLOGIA UNESP/BAURU-SP, 21., e CONGRESSO DE PSICOLOGIA UNESP/BAURU-SP, 8.: RELAÇÕES DE PODER E A PSICOLOGIA COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Anais [...]. Bauru, SP: Universidade Estadual Paulista (UNESP), 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v24i56.1969

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)