Importância socioeconômica da mandioca (Manihot esculenta crantz) para a comunidade de Jaçapetuba, município de Cametá/PA

Iudis Damasceno Lobo, Cezário Ferreira dos Santos Júnior, Aline Nunes

Resumo


A mandioca (Manihot esculenta Crantz) é considerada a terceira maior fonte mundial de carboidratos na alimentação humana. Atualmente o Brasil é o segundo maior produtor de mandioca do mundo. No entanto, faz-se necessário o conhecimento da dinâmica sobre a mandioca e o potencial socioeconômico da cultura. Desta maneira, o estudo objetivou compreender como a produção da mandioca se insere nas relações socioeconômicas (renda, tipos de trabalho, comercio formal e informal, atravessadores, nível de organização social e as suas dificuldades na produção) dentro da comunidade de Jaçapetuba, no município de Cametá, estado do Pará. Os resultados demonstram que a renda mensal derivados da mandioca geram valores superiores as demais atividades agrícolas.

Palavras-chave


Cadeia produtiva; Dificuldades de produção; Organização social.

Texto completo:

PDF

Referências


BEZERRA, V. S. Farinhas de mandioca seca e mista Brasília. DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2006.

BRASIL. Instrução Normativa Mapa 52/2011, de 8 de novembro de 2011. Estabelecer o Regulamento Técnico da Farinha de Mandioca. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 8 de novembro de 2011. Disponível em < http://sistemasweb.agricultura.gov.br/sislegis/action/detalhaAto.do?method=visualizarAtoPortalMapa&chave=497488882>.

________. Decreto nº 7.830, de 17 de outubro de 2012. Dispõe sobre o Sistema de Cadastro Ambiental Rural, o Cadastro Ambiental Rural, estabelece normas de caráter geral aos Programas de Regularização Ambiental, de que trata a Lei no 12.651, de 25 de maio de 2012, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 de outubro de 2011. Disponível em < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2012/decreto-7830-17-outubro-2012-774407-publicacaooriginal-137903-pe.html>.

CHISTÉ, R. C. Estudo do processo de fabricação da farinha de mandioca. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2006.

FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 3. ed. Curitiba: Ed. Positivo, 2004.

FREITAS, C. G.; FARIAS, C. S.; VILPOUX, O. F. A produção camponesa de farinha de mandioca na Amazônia sul ocidental. Boletim Goiano de Geografia, Goiás, v. 31, n. 2, p. 29-42, jul./dez. 2011.

FRANCK, H. et al. Effects of cultivar and harvesting conditions (age, season) on the texture and taste of boiled cassava roots. Food Chemistry, Amsterdan, v.126, n.1, p.127-133, mai. 2011.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Levantamento sistemático da produção agrícola. Rio de Janeiro v. 29, n. 12, p-1-81, dez. 2016.

MAYORCA, M. I. O., OLIVEIRA, A. D. S. Os impactos da participação do atravessador na economia do setor agrícola: um estudo de caso. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL - SOBER, 43., Riberão Preto-SP, 2005. Anais... Brasília-DF: SOBER, v. 1, p. 1-13. 2005.

SANTANNA, M, E. B.; MIRANDA, M. S. Avaliação microbiológica das etapas de produção da farinha de mandioca no Recôncavo Baiano. Magistra, Cruz das Almas-. BA, v. 16, n. 1, p. 25-32, jan./jun. 2004.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequenas Empresas. Manual de referência para casas de farinha. Alagoas, 2006. Disponível em < http://industriasantacruz.com/wp-content/uploads/2013/09/ManualdeReferenciaSEBRAE_AL.pdf>.

SILVA, A. C. B.; ALVES, M. A. V.; AQUINO, D. T. A importância da produção da mandioca e a sustentabilidade do espaço na comunidade do Castainho. Breves Contribuciones del I.E.G, Garanhuns-PE. v. 22, n. 22, p. 75-90, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v23i55.1913

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)