Logística reversa como alternativa de eficiência empresarial e sustentabilidade ambiental, no município de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil

Maira Nunes Farias Portugal, Michel Constantino, Reginaldo Brito da Costa

Resumo


O presente estudo objetivou avaliar a utilização de resíduos orgânicos em prática sustentável, via logística reversa, na Empresa Organoeste, no município de Campo Grande, MS. A empresa trabalha com a compostagem de resíduos orgânicos há mais de 10 anos, tendo em vista que cada vez mais na atualidade são exigidas ações em que o desenvolvimento sustentável esteja presente. Dessa forma, realizou-se uma pesquisa in loco, utilizando-se técnica observatória e descritiva, seguindo um roteiro semiestruturado de perguntas aos principais agentes envolvidos no processo de gestão e produção, com ênfase em logística reversa. Os resultados referentes aos anos avaliados (2012 a 2016) mostraram que 108.000 toneladas de resíduos orgânicos que seriam descartados in natura no meio ambiente, são reaproveitadas em ciclo de logística reversa aberto no processo produtivo da Organoeste, constituindo um avanço importante para o Estado de Mato Grosso do Sul, mitigando efeitos deletérios ao meio ambiente e consequentemente à qualidade de vida das pessoas.

Palavras-chave


Sistema Produtivo Local; Unidade Recicladora; Mitigação de Impactos Ambientais; Empresa Organoeste.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, Ricardo. A formação do capital social para o desenvolvimento sustentável. In: FÓRUM CONTAG DE COOPERAÇÃO TÉCNICA, 2. Anais... São Luiz, MA, 1998.

ÁVILA, V.F. de et al. Formação educacional em desenvolvimento local: relato de estudo em grupo e análise de conceitos. Campo Grande, MS: Editora UCDB, 2000.

ÁVILA, V. F. de. Cultura de subdesenvolvimento e desenvolvimento local. Sobral, CE: Edições UVA, 2006.

BARBIERI, J. C.; DIAS, M. Logística reversa como instrumento de programas de produção e consumo sustentáveis. Tecnologística, São Paulo, n. 77, p. 58-69, 2002.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Gestão de resíduos orgânicos. 2017. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/cidades-sustentaveis/residuos-solidos/gest%C3%A3o-de-res%C3%ADduos-org%C3%A2nicos>. Acesso em: 15 out. 2017.

______. Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, cria o Comitê Interministerial da Política Nacional de Resíduos Sólidos e o Comitê Orientador para a Implantação dos Sistemas de Logística Reversa, e dá outras providências. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7404.htm>. Acesso em: 5 mar. 2016.

CORRÊA, H. L. Gestão de redes de suprimento: integrando cadeias de suprimento no mundo globalizado. São Paulo: Atlas, 2010.

FIORILLO, C. A. P. Curso de Direito Ambiental brasileiro. 14. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

LASTRES, H. M. M. (Org.). Globalização e inovação localizada: experiências de sistemas locais do Mercosul. Brasília: IBICT/MCT, 1999. p. 31-71.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas, 1993. v. 1.

MULLER, C. F. Logística reversa meio ambiente e produtividade. 2005. Disponível em: <http://web-resol.org/textos/artigo01_1.pdf>. Acesso em: 18 jul. 2017.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v23i55.1756

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)