Novos movimentos sociais e o direito ao transporte coletivo no Brasil

Rebeca Barreto Duarte, Renata Maldonado da Silva

Resumo


Este estudo tem o objetivo de situar o Movimento Passe Livre (MPL) no estudo dos chamados novos movimentos sociais. Para isso discutimos, inicialmente, o modelo de política de transporte adotada no Brasil e a luta pelo direito ao transporte coletivo, dando destaque ao MPL. Este se autodenomina um movimento social autônomo, horizontal, independente, apartidário (porém não antipartidário), que luta por um transporte público gratuito para toda a população. Posteriormente, trazemos a discussão dos novos movimentos sociais, tomando como referência principalmente Bihr (2010) e Touraine (1988). Por fim, realizamos uma relação entre o Movimento Passe Livre e o proposto pelos autores supracitados acerca dos novos movimentos sociais.


Palavras-chave


movimentos sociais; novos movimentos sociais; Movimento Passe Livre.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSAD, Kader Carvalho; QUEIRÓZ, Imar Domingos. Movimentos sociais pelo transporte coletivo no Brasil: manifestações, estratégias de luta e desafios. Serviço Social em Revista, Londrina, v. 18, n. 1, p. 5-23, jul./dez. 2015.

BIHR, Alain. Da grande noite à alternativa – o movimento operário europeu em crise. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2010.

GODEIRO, Nazareno. Transportes urbanos no Brasil, 2% do PIB para solucionar a crise da matriz metroviária. Universidade e Sociedade, ano 22, n. 50, p. 32-45, jun. 2012.

GOHN, Maria da Glória. Teoria dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. 7. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

MARTINS, Caio. Movimentos sociais e luta de classes: crítica às teorias dos “novos movimentos sociais” e dos “movimentos socioterritoriais”. In: MONTAÑO, Carlos (Org.). Canto da sereia: crítica à ideologia e aos projetos do “terceiro setor”. São Paulo: Cortez, 2014.

MONTAÑO, Carlos; DURIGUETTO, Maria Lúcia. Estado, classe e movimento social. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MOVIMENTO PASSE LIVRE – SÃO PAULO. Não começou em Salvador, nem vai terminar em São Paulo. In: MARICATO, Hermínia et al. Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo; Carta Maior, 2013. p. 13-8.

NUNES, Lucas Sant’Ana; CARRASCO, Vinicius Martins. A Representação Social do Manifestante do MPL-SP no Primeiro Ato de 2015. In: CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE MÍDIA CIDADÃ,10.; CONFERÊNCIA SUL AMERICANA DE MÍDIA CIDADÃ, 5., Bauru, 22-24 abr. 2015. Anais... Bauru, SP: UNESP, 2015. Disponível em: <https://www.faac.unesp.br/Home/Departamentos/ComunicacaoSocial/midiacidada/dt5-6.pdf>. Acesso em: 17 maio 2017.

PEREIRA, Potyara. Utopias desenvolvimentistas e política social no Brasil. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 112, p. 729-53, out./dez. 2012.

RAMOS, Rubia. Sociedade programada: a sociologia de Alain Touraine sobre a modernidade. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, 14., 2011 Anais... Disponível em: <http://www.sbsociologia.com.br/portal/index.php?option=com_docman&task=search_result&Itemid=170 >. Acesso em: 28 maio 2017.

SECCO, Lincoln. As jornadas de junho. In: MARICATO, Hermínia et al. Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2013. p. 71-8.

TOURAINE, Alain. O pós-socialismo. 1. ed. São Paulo: Brasiliense, 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v23i54.1693

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)