Reflexões e entendimentos sobre a Língua Brasileira de Sinais

Jéssica Rabelo Nascimento, Adriana Lucia de Chaves de Barros, Karine Albuquerque

Resumo


O presente artigo tem como objetivo principal promover um estudo sobre a Língua Brasileira de Sinais (Libras) que é a língua usada pela comunidade surda brasileira e obteve seu reconhecimento legal pela Lei 10436/2002 regulamentada pelo Decreto 5626/2005. Buscaremos refletir sobre as especificidades da Libras, entendendo suas características linguísticas e não linguísticas. Para tanto faremos a descrição do aspecto fonológico da Libras, elucidando seu status linguístico. Esta é uma pesquisa bibliográfica fundamentada em autores renomados como, Brito (1995) e Quadros e Karnopp (2004), que são pesquisadores renomados na educação de surdos. Entender a condição Linguística do surdo é o começo de uma longa caminhada, em que novas questões, descobertas, desafios e reflexões se fazem emergir, sensibilizando um número cada vez maior de pesquisadores, professores e autoridades competentes. Por meio desta pesquisa, aprofundamos os conhecimentos sobre a Língua Brasileira de Sinais.

Palavras-chave


Libras; Língua ;Linguística

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, K. A construção de sentidos no processo de tradução/interpretação Português/Libras. 2016. 92f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Campo Grande, MS, 2016.

ALLWRIGHT, D. Exploratory Practice: rethinking practitioner research in language teaching. Language Teaching Research, London, v. 7, n. 2, p. 113-42, abr. 2003a.

______. Exploratory Practice and Academic Research: the nature of the inter-relationship. Rio de Janeiro, 2003b. mimeo.

BATTISON, R. Phonological deletion in American Sign Language.Sign Language Studies, v. 5, p. 1-19, out. 1974

BRASIL. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso em: 8 out. 2015.

BRENTARI, D.; POIZNER, KEGL, J. Aphasic and parkinsonian signing: differences in phonological disruption. Brain and Language, v. 48,  n. 1, p. 69-105, jan. 1995.

BRITO, L. F. Por uma gramática de línguas de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; UFRJ/Departamento de Linguística e Filologia, 1995.

GESSER, A. As várias línguas em LIBRAS: reflexões sobre o bi/multilinguismo na comunidade surda. In: SEMINÁRIO DE LINGUÍSTICA APLICADA, 11., e SEMINÁRIO DE TRADUÇÃO, 7., Salvador, 2010. Cultura, identidade, diferença e acessibilidade, 2010. v. 1. p. 16.

MORAES BEZERRA, I. C. R. Teoria e prática: os dois lados da moeda nas aulas de prática de ensino. In: BOTELHO, J. M. (Org.). Estudos reunidos: linguagem, literatura e estilística. Rio de Janeiro: Botelho, 2006. p. 127-43.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

QUADROS, R. M.; PIMENTA, N. Curso de Libras 1. Rio de Janeiro: LIBRAS Vídeo, 2006.

QUADROS, R. M.; SCHMIEDT, M. L. P. Ideias para ensinar português para alunos surdos. Brasília: MEC, SEESP, 2006.

SKLIAR, Carlos. A surdez, um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2012.

STOKOE, W. C. Sign language structure: an outline of the visual communication systems of the American deaf. Studies in Linguistics, Buffalo, 1960. (occasionalpapers, n. 8).




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v23i53.1611

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)