Trilha da Vida Silvestre: um jogo a partir do monitoramento de atropelamento de animais em trecho da Rodovia MS 162

Maria Jéssica Pereira Viturino, Suelen Regina Patriarcha Graciolli

Resumo


O atropelamento de animais silvestres é um fator recorrente causando danos às espécies atropeladas e às demais, pois altera toda uma dinâmica natural. O atropelamento de animais silvestres está hoje entre as causas de maior perda de biodiversidade, fazendo-se necessário que o assunto seja abordado nos diversos grupos, desde condutores de veículos até as crianças nas escolas e comunidade geral, visando amenizar esses impactos. Nesse sentido, objetivou-se neste trabalho monitorar a fauna atropelada em trecho da MS–162, que liga Sidrolândia, MS, ao Distrito Quebra Coco, na perspectiva de ferramenta para educação ambiental, visando à produção de um material didático. A pesquisa foi realizada durante cinco meses, sendo monitoramento quinzenal, tendo como resultado a ocorrência de 18 animais atropelados. Dentre eles, encontraram-se nove espécies diferentes, com dominância de atropelamento de tamanduás. Após pesquisa e obtenção dos dados elaborou-se um jogo didático, intitulado "Trilha da Vida Silvestre".

Palavras-chave


biodiversidade; estradas; jogo didático.

Texto completo:

PDF

Referências


BAGER, A. et al. Hierarquização de quilômetros prioritários a implantação de aparatos de mitigação de atropelamentos de animais selvagens - estudo de caso da BR 392. In: CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, 9., 13 a 17 de setembro de 2009. Anais... São Lourenço – MG, 2009.

CASELLA, J. et al. Uso de sensoriamento remoto e análise espacial na interpretação de atropelamentos de fauna entre Campo Grande e Aquidauana, MS. In: SIMPÓSIO DE GEOTECNOLOGIAS NO PANTANAL, 1. Anais... Campo Grande, MS: Embrapa Informática Agropecuária/INPE, 2006. p.321-326.

CASELLA, J. Ecologia de estradas: influência da BR-262 no desflorestamento e na perda da fauna silvestre por atropelamentos no Sudoeste do Brasil, MS. 2010. 105 f. Tese (Doutorado Ecologia e Conservação) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, 2010.

CATELLA, A. C. et al. BR-262 no Pantanal: cenário de encontros entre homens e animais silvestres. Corumbá, MS: Embrapa Pantanal, 2010.

CHEREM, J. J. et al. Mamíferos de médio e grande porte atropelados em rodovias do Estado de Santa Catarina, sul do Brasil. Revista Biotemas, v. 20, n. 3, p. 81-96, set. 2007.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES (DNIT). Monitoramento e mitigação de atropelamento de fauna. Brasília: Coordenação Geral de Meio Ambiente/Diretoria de Planejamento e Pesquisa, 2012. (Coleção Estrada Verde, v. 1/3).

FERRO, A. F. P. et al. Oportunidades tecnológicas e estratégias concorrenciais de gestão ambiental: o uso sustentável da biodiversidade brasileira. Produção e Gestão, Campinas, SP, v. 13, n. 3, p. 489-501, 2006.

FISCHER, W. A. Efeitos da rodovia BR-262 na mortalidade de vertebrados silvestres: síntese naturalística para a conservação da região do Pantanal, MS. 1997. 42 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Conservação) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, 1997.

INSTITUTO BRASÍLIA AMBIENTAL (IBRAM). RODOFAUNA - Monitoramento de Fauna Silvestre Atropelada. Brasília, 2014. Disponível em: <http://www.ibram.df.gov.br/component/content/article/261.html>.

JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, n. 118, p, 189-205, mar. 2003.

LIMA, S. F.; OBARA, A. T. Levantamento de animais silvestres atropelados na BR-277 às margens do Parque Nacional do Iguaçu: subsídios ao programa multidisciplinar de proteção à fauna. In: SEMANA DE ARTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ, 7. Anais... Maringá, PR: UEM, 2004.

MEDRI, I. M. Área de vida e uso de habitát de Tamanduá – bandeira - Myrmecophaga tridactyla Linnaeus, 1758 – nas fazendas Nhumirim e Porto Alegre, Pantanal de Nhecolândia, MS. 2002. 71 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Conservação) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, 2002.

REZINI, J. A. Atropelamento de mamíferos e rodovias do leste dos estados do Paraná e Santa Catarina, sul do Brasil. 2010. 60 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Conservação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, 2010.

PATRIARCHA-GRACIOLLI, S. R. et al. “Jogo dos predadores”: uma proposta lúdica para favorecer a Aprendizagem em ensino de ciências e educação ambiental. REMEA - Revista Eletrônica Mestrado Educação Ambiental, v. 20, jan./jun. 2008.

RIBEIRO, M. R. C; RAMOS, F. A. G. Educação ambiental no cotidiano escolar: estudo de caso etnográfico. Cadernos de Pesquisa, São Luiz, MA, v. 10, n. 2, p. 9-21, jul./dez. 1999.

SANTANA, G. S. Fatores influentes sobre atropelamentos de vertebrados na região central do Rio Grande do Sul, Brasil. Neotropical Biology and Conservation, Santa Maria, RS, v. 7, n. 1, p. 26-40, 2012.

SCOSS, L. M. Impacto de estradas sobre mamíferos terrestres: o caso do parque estadual do rio doce, Minas Gerais. 2002. 96 f. Tese (Doutorado em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2002.

VIEIRA, Heider Damas et al. Resultados preliminares do subprograma de controle de atropelamento de fauna BR-060. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL, 3. Goiânia, GO: IBEAS – Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais, 2012. Disponível em: <http://www.ibeas.org.br/congresso/Trabalhos2012/XI-031.pdf>.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v22i51.1446

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)