A necessidade de avaliação da política de fomento à inovação tecnológica no Brasil

Josmar Cappa, José Henrique Bassi Souza Sperancini, Lindinalva Cândido Machado

Resumo


O fomento público à inovação tecnológica vem se constituindo como um dos principais fatores responsáveis pelo diferencial competitivo entre as nações. Essa importância dada ao papel do Estado no fomento tecnológico reforça a necessidade. De a sociedade estabelecer formas de monitorar as estratégias e as atividades das agências públicas. Por isso a necessidade urgente de implementar formas eficazes de avaliação de resultados das ações públicas na área. Para o Brasil, essa realidade não é diferente. Esse artigo procura tratar dos principais argumentos que justificam a necessidade de o Estado brasileiro institucionalizar as práticas de avaliação de suas ações de apoio à inovação empresarial.


Palavras-chave


avaliação; política científica e tecnológica; inovação; Brasil

Texto completo:

PDF

Referências


ARBIX, Glauco; MIRANDA, Zil. Inovação em tempos difíceis. Plural, Revista de Ciências Sociais, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 18-36, 2015.

ARCHIBUGI, Daniele; LUNDVALL, Bengt-Åke. The globalizing learning economy. Oxford: Oxfor University Press, 2001.

ASSOCIATION FOR TECHNOLOGY IMPLEMENTATION IN EUROPE, THE (TAFTIE). Evaluation Reference Model. The Taftie Evaluation Network. Madri, Espanha, 2014.

______. The taftie guidelines on performance indicators for evaluation and monitoring. The Taftie Evaluation Network. Madri, Espanha, 1997.

BALLART, Xavier; SUBIRATS, Joan. Science and technology policy for a medium-size industrial country: the case of Spain. Science and Public Policy, Inglaterra, v. 24, n. 3, p. 197-205, jun. 1997.

BONACELLI, Maria Beatriz M.; ZACKIEWICZ, Mauro; BIN, A. Avaliação de impactos sociais de programas tecnológicos na agricultura do estado de São Paulo. Espacios, Caracas, v. 24, n. 2, 2003.

BORGES, Pedro P.; MARQUES, Heitor R.; CASTILHO, Maria Augusta. Economia asiática: modelo para o Brasil? Contribuciones a las Ciencias Sociales, out./dez. 2016. Disponível em: <http://www.eumed.net/rev/cccss/2016/04/asia.html>.

CALLON, M.; LARÉDO, P.; RABEHARISOA, V. The management and evaluation of technological programmes and the dynamics of techno-economic networks: the case of the AFME. Research Policy, v. 21, n. 3, p. 215-36, jun. 1992.

CATELLI, Armando; SANTOS, Edilene Santana. Mensurando a criação de valor na gestão pública. RAP - Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 38, n. 3, p. 423-49, maio/jun. 2004.

CORRÊA, Izabela Moreira. Planejamento estratégico e gestão pública por resultados no processo de reforma administrativa do estado de Minas Gerais. RAP - Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 41, n. 3, p. 487-504, maio/jun. 2007.

COUNCIL OF SCIENCE AND TECHNOLOGY ADVISORS (CSTA). Science and technology excellence in the public service: a framework for excellence in federally performed science and technology. Ottawa: CSTA, 2001.

CUNNINGHAM, P. P. N.; MARK, B.; GLYNN, S. M.; HILLS, P. V. Measuring and ensuring excellence in government science and technology: international practices - France, Germany Sweden and the United Kingdom. Science and Technology Excellence in the Public Service (STEPS), 2001. Publication link: 5b0c258d-5f3a-4a42-99c3-9e607b4943b1.

DE NEGRI, Fernanda et al. Inovação no Brasil: crescimento marginal no período recente: análise dos dados da PINTEC 2014. Brasília, n. 34, 2016.  Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/20161209_nt_34.pdf>.

ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY (EPA). Performance and accountability report 2007. Washington: EPA, 2007.

FURTADO, André Tosi et al. Avaliação de resultados e impactos da pesquisa e desenvolvimento: avanços e desafios metodológicos a partir de estudo de caso. Gestão & Produção, São Carlos, SP, v. 15, n. 2, p. 381-92, maio/ago. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-530X2008000200013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 8 abr. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-530X2008000200013.

FURTADO, André Tosi; CARVALHO, Ruy de Quadros. Padrões de intensidade tecnológica da indústria brasileira: um estudo comparativo com os países centrais. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 70-84, jan./mar. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392005000100006&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 8 abr. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392005000100006.

GABOLDE, Jean. New challenges for indicators in science and technology policy-making: a european view. Research Evaluation, UK, v. 7, n. 2, p. 99-104, ago. 1998.

GONZALEZ, Rodrigo Valio Dominguez; MARTINS, Manoel Fernando. O Processo de Gestão do Conhecimento: uma pesquisa teórico-conceitual. Gestão & Produção, São Carlos, SP, v. 24, n. 2, p. 248-65, abr./jun. 2017 (Epub: 26 jan. 2017). Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-530X2017005001103&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 8 abr. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/0104-530x0893-15.

GUY, Ken; ARNOLD, Erik. UK government pratice in science and technology evaluation. Research Evaluation, UK, v. 3, n. 3, p. 179-86, dez. 1993.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa de Inovação Tecnológica – PINTEC 2014. Rio de Janeiro, 2016.

INNO-METRICS. European innovation scoreboard 2006: comparative analysis of innovation performance. Bruxelas: European Commission, Inno-Metrics, 2006.

JAFFE, Adam B. Economic analysis of research spillovers implications for the advanced technology program. Gaithersburg: Advanced Technology Program, National Institute of Standards and Techonology, 1996.

KASTRINOS, Nikos; ROMERO, Fernando. Policies for competitiveness in less favoured regions of Europe: a comparison of Greece and Portugal. Science and Public Policy, UK, v. 24, n. 3, p. 189-95, jun. 1997.

KUHLMANN, Stefan. Patterns of science and technology policy evaluation in Germany. Research Evaluation, UK, v. 5, n. 1, p. 23-3, abr. 1995.

LINK, Alber; SCOTT, John. Evaluating public sector R&D: a retrospective examination of U.S. Experiences. In: APEC Symposium on the evaluation of S&T programmes among APEC member economies, 12., 1998. Anais… Nova Zelândia, 1998.

MATIAS-PEREIRA, José. Administração pública comparada: uma avaliação das reformas administrativas do Brasil, EUA e União Européia. RAP - Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 42, n. 1, p. 61-82, jan./fev. 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI). Nota informativa sobre evolução dos dispêndios nacionais em C&T e P&D no período 2000 a 2013. Brasília: MCTI, 2015a. Disponível em: <http://www.mct.gov.br/upd_blob/0237/237332.pdf>.

______. Indicadores selecionados de ciência, tecnologia e inovação Brasil 2015. Brasília: MCTI, 2015b. Disponível em: < http://www.mct.gov.br/upd_blob/0237/237254.pdf>.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. Indicadores: comparações internacionais. Recursos aplicados. Tabela 8.1.2 Dispêndios nacionais em pesquisa e desenvolvimento (P&D) em relação ao produto interno bruto (PIB) de países selecionados, 2000-2013. 2017. Disponível em: <http://www.mctic.gov.br/index.php/content/view/2076.html>. Acesso em: 15 abr. 2017.

NORTH, Douglass C. The new institutional economics and development. Economic History 9309002, EconWPA, 1993a.

______. Five propositions about institutional change. Economic History 9309001, EconWPA, 1993b.

______. Institutions, organizations and market competition. Economic History 9612005, EconWPA, 1996c.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Science, Technology and Innovation Outlook 2016. Paris: OECD, 2016a.

______. Science, Technology and Innovation Outlook 2016: Brazil. (OECD) Paris: OECD, 2016b.

______. Manuel d'Oslo: principes directeurs pour le recueil et l’interprétation des données sur l’innovation. 3. ed. Paris: OECD, 2005.

PACAGNELLA JUNIOR, Antonio Carlos; PORTO, Geciane Silveira. Análise dos fatores de influência na propensão à inovação na indústria paulista. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 11, n. 2, p. 333-64, jul./dez. 2012.

PLONSKI, Guilherme Ary. Bases para um movimento pela inovação tecnológica no Brasil. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 25-33, jan./mar. 2005.

PORTER, Michael. Vantagem competitiva. 4. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

RATCHFORD, J. Thomas. Science and technology in government and industry: whence and whiter? Technology In Society, UK, v. 19, n. 3-4, p. 211-36, ago./nov. 1997.

ROTHWELL, Roy; DODGSON, Mark. European technology policy evolution: convergence towards SMES and regional technology transfer. Technovation, Dorset, UK, v. 12, n. 4, p. 223-38, maio 1992.

RUFÍN, Carlos; MAHMOOD, Ishtiaq P. From big push to big pull: the paradox of government action. Academy of Management Review, v. 30, n. 2, p. 338-60, abr. 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/multi.v23i53.1323

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN online: 2447-9276
ISSN impresso: 1414-512X (até o número especial, set. 2015)